Habilidades digitais

Em debates sobre TICs na escola é comum ouvir as seguintes duas afirmações (erradas, ou pelo menos exageradas, ao meu ver):

  1. Existiriam  “nativos digitais” e “migrantes digitais”. Os primeiros, nascidos depois dos anos 80 conhecem tecnologias digitais profundamente e naturalmente obtiveram as habilidades necessárias para usá-las.
  2. Estes jovens requeriam ambientes educacionais adequados aos seus estilos de aprendizagem diferenciada das gerações anteriores. Os professores, migrantes digitais,  precisam ser capacitados para adquirir as competências em TICs necessários para usar as novas metodologias.

O conceito “nativos digitais” está associado a um artigo que Marc Prensky escreveu em 2001. Vamos fazer uma busca no Google Acadêmico (clique o link,  abrirá em nova aba). Há 23 mil citações, refletindo a enorme influência que o texto teve.  Se quiser, leia o artigo original, clicando no título para ir no site da editora ou no link para o PDF no Academia.edu,  uma rede social onde acadêmicos compartilham seus trabalhos.

Mas na comunidade acadêmica há dúvidas sobre o conceito.   “The ‘digital natives’ debate: A critical review of the evidence” é uma análise crítica das bases empíricas das afirmações acerca dos chamados “nativos digitais”. O artigo está atrás do “muro de pagamento” da revista, mas o próprio Google Acadêmico aponta para uma versão disponível livremente.

A conclusão deste artigo crítico é que

… as pesquisas acerca das relações de jovens com tecnologia mostram  um quadro muito mais complexo que a caracterização “nativos digitais” sugere. Embora tecnologia é ubíquo na vida deles, o uso e habilidades é distribuído altamente desigualmente. […] Não há evidências […] de um estilo de aprendizagem diferente.

A minha impressão, baseado na minha experiência com meus alunos é que , de fato, jovens tem muita facilidade de usar tecnologias como consumidor, mas sem noção boa como funciona a infraestrutura que está por trás das aplicativos e serviços que usam. Não é surpreendente que sabem usar tecnologia, que afinal é feito para amigável e fácil de usar. Mas a maioria não tem competência em TICs de forma plena, numa perspectiva de competências como não somente saber usar ou acessar as TICs, mas também ser capaz de avaliar criticamente e se apropriar das possibilidades das tecnologias para criar algo de forma autônoma, independente das intenções do vendedor.

Algumas Habilidades Digitais

Considero os seguintes habilidades essenciais para meu trabalho com tecnologia educacional. Algumas, como as de segurança, me parecem essenciais para qualquer cidadão. Outras, como saber criar um site, compartilhar documentos ou arquivos, são especialmente úteis para educadores.

Internet

  • Não confundir a Internet ou a Web com Facebook ou Google
  • Saber explicar a diferença entre a Internet e a Web
  • Qual é aproximadamente o caminho de uma mensagem entre sua casa e os servidores do Facebook?
  • Entender jargão como “servidor”, “a Nuvem”

A Web e Navegadores

  • Interpretar as partes de um URL
  • Passar um URL
  • Baixar uma imagen da Internet
  • Abrir links em nova Aba
  • Navegar entre Abas
  • Baixar uma imagem do Google Images
  • Baixar um vídeo do youtube
  • Fazer uma captura de tela (“print”)
  • Extensões
  • Colocar um arquivo grande na Web e compartilhar
  • Colaborar via um um documento compartilhada
  • Criar um site informativo

Celulares

  • Desligar notificações de Apps específicos
  • Desligar o som de todas as notificações
  • Fazer captura de tela (“print”)
  • Enviar mídia para outro computador
  • Compartilhar foto ou vídeos
  • Instalar Apps
  • Interpretar permissões da App

Segurança

  •  Fazer gestão de senhas
  •  Entender trafego “seguro” e https
  •  Autenticação de 2 fatores

Tracking

  • O significado de janelas privadas
  • Entender “Cookies”
  • modelos de negócios de Google, Facebook, Apple, Amazon
  • Adblockers e o que são e porque usar

Exercícios e Atividades propostas

Busque por seu nome no Google. Se tiver um Android, acesse https://history.google.com/ e procure seu Histórico de Localização (em “Outra atividade do Google”)

Se cadastre num serviço grátis de criação de sites e começa criar uma página  simples com um perfil público (o que faz, hobbies). Cuidado de não publicar informações como endereço, telefone.  Ou, começa criar uma página do seu bicho de estimação (exemplo). Sugestões de serviços grátis de criação de espaços na Web: WordPress.com, Wix, Weebly, Google Sites.

Entre na sua conta do Facebook, Google e Microsoft, descubra onde ficam as configurações de privacidade e revise-as. Para Facebook, este artigo pode ser útil.

Instale um “Adblocker” no seu Navegador. Sugiro não usar Adblock+ e sim usar uBlock Origina (o Adblock + está agora sendo comercializada deixando passar algumas propagandas de empresas que pagam por isso).

Configure autenticação de dois fatores em uma das suas contas. A sua conta de email é um forte candidato (outros serviços usam seu email para recuperar senhas).

Material e Links complementares

Assiste este vídeo educativo do NIC (parte do CGI, a organização não-governamental ou “multi-stakeholder” responsável pela governança da internet no Brasil) sobre a tecnologia por trás da Internet, redes de “comutação por pacotes”: